Legado, 2017

Escultura

Dimensões variáveis

Ao serem exibidas, as superfícies das moedas revelam terem sido achatadas, esmagadas. Trabalho que se inscreve no campo da escultura, “Legado” consiste em uma coleção de 17 moedas comemorativas dos Jogos Olímpicos 2016, com deformações sofridas ao serem posicionadas nos trilhos do VLT Carioca (Veículo Leve sobre Trilhos) e atropeladas pelos vagões. As imagens gravadas em cada uma delas ganham nova forma e textura, além de trechos de apagamento. O VLT é parte do Porto Maravilha, uma operação urbana que visa requalificar a Zona Portuária, no Centro do Rio de Janeiro. Um polo de investimentos e releitura da história – sob a óptica do Estado, que sempre a dominou – ou ações neoliberais que levam à substituição de perfis de renda de uma área amplamente habitada por pessoas pobres e cuja ancestralidade esta intimamente conectada à zona do porto e seu protagonismo efetivo na vida cultural da população negra do Rio de Janeiro. No procedimento da gravura, a imagem é criada pelas frestas: relação entre aquilo que é gravado e o não-gravado, opõe cortes e não-cortes, o vazio e o cheio. A impressão invariavelmente é conectada à ideia de reprodução das imagens, de duplicação. Tais operações convocam à arte aquilo que não tem controle, que pode ser provocado por meio de métodos, mas cujo resultado não podemos assegurar – pois o inesperado e uma farta dose de acaso agem de maneira impiedosa. João Paulo Racy imprime um papel outro ao Veículo Leve Sobre Trilhos, instrumento concomitante de avanço social, progresso, mobilidade urbana, sectarismo ou gentrificação.

Texto de Ulisses Carrilho

Vista da exposição Abre Alas 14 – Galeria A Gentil Carioca – 2018